Eu gostaria de poder dizer que a minha vida de oração é definida por autenticidade e uma fé audaciosa.

Mas se eu for honesto...

Oração é uma das coisas das quais eu mais tenho dificuldade em minha caminhada com Deus. Eu tenho dificuldade de me acalmar o suficiente para orar. Tenho dificuldade para encontrar um lugar calmo e sozinho. Tenho dificuldade de fazer orações grandes que demandam muita fé. Tenho dificuldade em ser consistente e fervoroso em minhas orações. E ainda, algumas vezes, tenho dificuldade de cumprir a promessa de orar por alguém.

Eu recentemente descobri que que o que mais me traz dificuldade em minhas orações é a expectativa. Percebi que realmente meu maior problema na oração é que eu não oro com sinceridade.

Eu amo nossas reuniões de oração na igreja porque isso me impulsiona a orar com fé e esperança. Nós nos reunimos semanalmente para uma hora de oração dedicada, e é uma visão maravilhosa. E, também, é claro que se cria uma atmosfera de expectativa. Não existe outra explicação para centenas de pessoas aparecerem para orar no meio da semana. Nós não apenas nos reunimos para orar, nós nos reunimos para ver Deus agir.

Você pode estar pensando que não faria muito sentido se dar o trabalho de orar se você não tem expectativa nenhuma de algo acontecer – mas eu te garanto que isso acontece com facilidade.

No meu caso, não é que eu duvide do poder de Deus; é que eu acabo entrando num cristianismo que se parece parecido com uma lista de pré-requisitos.

Eu faço da oração uma tarefa religiosa em vez de simplesmente uma parte natural do meu relacionamento com Ele. Em vez de orar com uma expectativa sincera, eu frequentemente acabo apenas fazendo uma oração automática. Eu permito que a oração se torne mais disciplinada do que prazerosa; mais um dever do que devoção.

Oração sem esperança é oração sem poder. E o que eu aprendi orando em uma sala cheia de pessoas com orações devotos e com esperança é que orar sem essa esperança é, de fato, orar sem fé. E oração sem fé não é oração – é religiosidade vazia.

Oração nunca foi feita para fazer parte de uma lista de afazeres cristãos ou apenas um discurso cheio de palavras vazias jogadas ao ar. Na realidade, Jesus especificamente adverte a respeito dessas orações vazias e sem fé em Mateus 6:7: “E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios, que pensam que por muito falarem serão ouvidos”.

Oração é simplesmente uma conversa com Deus definida pela fé. É o humilde ato de levar nossas preocupações naturais para um Deus sobrenatural.

Eu não acredito que a oração deve ser de um jeito ou soar de algum jeito para ser ouvida por Deus. Eu não acho que nós devemos estar ajoelhados perto da cama ou trancados em um quarto de oração; e não acredito que orações longas O impressionam ou que uma oração curta desaponta a Deus. Eu realmente acho que Ele quer que nós sejamos honestos com Ele e orar com toda fé que conseguimos reunir.

Nós sempre podemos orar com esperança, porque Deus sempre ouve e responde nossas orações. Pode não ser um “sim”, mas será sempre o melhor, nós entendendo ou não. Tim Keller diz, “Deus ou vai nos dar o que pedimos ou nos dar o que pediríamos se nós soubéssemos o que Ele sabe”.

Nunca esqueça que oramos a um Deus que opera milagres (Salmos 77:14). Um Deus que revive os mortos e cura os de coração quebrado (Salmo 147:3). Um Deus que dá visão ao cego e força ao fraco (Isaías 40:29). Um Deus que é capaz de fazer muito mais do que aquilo que pedimos ou imaginamos (Efésios 3:20).

Oração é muito poderosa para deixar que a rotina ou religiosidade roube sua efetividade.

Traduzido e Adaptado por Gustavo Iserhardt. Original aqui.